SÃO PAULO: CASA DE VIDRO LINA BO BARDI

Mês passado tive o prazer de finalmente conhecer a casa de vidro, projetada pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi e construída no ano de 1950. Sou apaixonada por esta casa desde o segundo semestre do curso de arquitetura, quando fiz um trabalho sobre a mesma. Todo arquiteto ou estudante de arquitetura provavelmente já ouviu falar da Lina e conhece os projetos dela. E mesmo quem não é desta área também conhece as obras dela, mas provavelmente não sabe que é de autoria da Lina. Afinal de contas todo mundo conhece (ou pelo menos já ouvir falar!) o Masp e o Sesc Pompéia, ambos aqui em São Paulo!

Crédito da imagem: Júlio Tavares (http://vejasp.abril.com.br/estabelecimento/masp)

Fonte da imagem: http://apartamentoperdizes.wordpress.com/2012/02/27/arte-cultura-e-conhecimento-no-sesc-pompeia/

Quem tiver interesse em fazer a visita deve entrar em contato com a Daisy através do e-mail visita@institutobardi.com.br e marcar uma data e horário. Ela é super prestativa e enviará todas as informações necessárias. É cobrada uma taxa de R$15,00 (inteira) e R$10,00 (para estudantes) e o pagamento é feito em dinheiro ao final da visita. Há alguns livros sobre a casa e sobre a Lina à venda no dia da visita e quem tiver interesse em adquirí-los deve levar uma quantia maior em dinheiro ou cheque.

Em 1946 Lina e o marido Pietro Maria Bardi vieram da Itália para o Brasil a convite de Assis Chateaubriand. Nesta época a Europa estava vivendo a II Guerra Mundial e por isso, não havia espaço para Lina produzir seus projetos por lá. A casa de vidro foi o primeiro projeto dela que foi construído.

O bairro escolhido para a residência do casal Bardi foi o Morumbi, na cidade de São Paulo. A região era ocupada por uma fazenda de plantação de chá que foi loteada por volta de 1948. Lina e Pietro Bardi foram os primeiros compradores de lotes da região (e também os primeiros que construíram uma casa na região) e adiquiriram 03 unidades com uma área total de aproximadamente 7.000m2. Logo após a compra Lina iniciou o projeto da casa e na sequência deram início a obra.

A única árvore existente no terreno era uma falsa seringueira e Lina optou por construir a casa ao redor dela. Com o passar do tempo o casal plantou várias árvores no terreno e atualmente o local possui várias espécies. A luz que incide em todo o terreno é muito suave, pois as várias árvores ali existentes parecem filtrar a luz do sol. Assim que atravessei o portão de entrada foi como se estivesse entrando em outra cidade, um lugar de calma e paz.

A casa, de 750m2, fica no topo do terreno e o acesso da rua até a casa é feito por uma rampa (bem inclinada, por sinal!):

Na foto abaixo dá para ver o portão de entrada e à esquerda a garagem:

Na parte inferior da casa há um espaço dedicado à objetos de arte colecionados pelo casal. É uma mini galeria de arte onde estão expostas várias obras colecionadas por Lina e Pietro. No canto direito da foto abaixo está a cadeira Girafa, criação da Lina.

Lina projetou a casa de vidro voltada para a face sudeste para evitar insolação direta na casa e também para que não fosse necessário instalar cortinas onde houvesse os panos de vidros. Mas na realidade a área social (na foto abaixo) recebe bastante luz do sol e as cortinas se tornaram objeto indispensável por lá.

Na foto abaixo também é possível observar os pilares metálicos, de somente 17cm de diâmetro que sustentam a casa. A cor dos pilares é em tom de verde para que se confundissem com a vegetação do entorno, criando a sensação de que a casa está flutuando. A casa é dividida em dois blocos, sendo o primeiro a parte social e íntima da casa e o bloco dos fundos a parte de serviço. O bloco da frente é todo em concreto armado e o dos fundos em alvenaria. Não há vigas na casa, graças ao sistema de laje cogumelo que foi utilizado.

A planta da casa:

Fonte da imagem: Livro Lina Bo Bardi, Editora Instituto lina Bo e PM Bardi – Imprensa Nacional

A área do hall de entrada, sala de estar, jantar, biblioteca e cozinha têm o piso revestido em pastilha de vidro Vidrotil.

Toda a área social da casa possui panos de vidro de piso a teto cercados por várias espécies de árvores. A vista é de tirar o fôlego:

Na foto abaixo destaque para a poltrona Bowl, desenhada por Lina, especialmente para decorar a casa de vidro:

Aliás, todo o mobiliário da casa foi desenhado por ela e todos os exemplares que se encontram atualmente na casa são originais.

Na foto abaixo a cadeira Tripé, que lembra muito (ou seria o oposto?!!) a cadeira Paulistano, criação do arquiteto Paulo Mendes da Rocha:

A cadeira Frei Egídio:

A casa e todo o mobiliário continuam atuais e não parecem ter mais de 50 anos de existência!

A mesa de jantar (lida demais!) da foto abaixo também foi desenhada por Lina:

Lina não queria iluminação na laje dos cômodos da casa e optou somente por arandelas e abajures. A única exceção foi a cozinha, que tem uma luminária com desenho da própria arquiteta:

Na cozinha a bancada é em aço inox, armários revestidos em laminado melamínico e coifa em vidro. Super moderna para a época!  E a monitora nos contou que os dois fogões industriais que estão na foto abaixo eram pilotados pela própria Lina, que adorava cozinhar para as visitas:

Na época em que a casa foi construída não havia coleta de lixo na cidade e por isso, o incinerador era fundamental para queimar o lixo:

Na foto abaixo portas e janelas do setor de serviço, na parte posterior da casa:

O banheiro todo revestido em pastilha de vidro Vidrotil:

Destaque para a prateleira no banheiro do casal com os perfumes da época:

No mesmo terreno da casa ainda há a casa do caseiro e o atelier, onde Lina desenvolvia seus projetos:

 Lina Bo Bardi faleceu em 1992 e seu marido em 1999. Com certeza ela foi uma das mais influentes arquitetas de sua geração e deixou de presente para os brasileiros verdadeiras obras de arte! Sou fã da Lina e depois de visitar a casa de vidro passei a admirá-la ainda mais.

A visita a casa de vidro vale muito a pena, principalmente para quem mora aqui em São Paulo, pois é uma chance única de conhecer um pouco mais esses lugares encantadores e pouco conhecidos da cidade. No livro de assinaturas havia gente de todo canto do mundo e a monitora disse que na semana anterior um grupo do MoMA passou uma tarde de sábado por lá para conhecer mais sobre a casa.

Anúncios
4 comentários
  1. Eu conheci a casa quando estava na faculdade (fazendo trabalho sobre ela também! rs), é incrível! Comprei um livro que vendiam lá e fiquei impressionada com a mudança na paisagem, realmente não tinha vegetação nenhuma! Lembro que achei muito bacana também a preocupação dela que os quartos dos empregados tivessem o mesmo tamanho dos outros quartos. Inclusive conversamos com funcionários que cuidavam da casa desde os tempos que eles era vivos. Vale muito a pena mesmo!

    Curtir

    • Oi Isa!
      Que legal que vc tbm teve a oportunidade de conhecer a casa! É um passeio imperdível!
      Não sabia deste detalhe dos quartos de empregados, muito bom vc ter comentado.
      Beijos!

      Curtir

  2. JACQUELINE GUERREIRO disse:

    oiiii estou fazendo trabalho sobre a casa e vou visita la tambem gostaria de saber mais detalhes do terreno medidas e etc . alguem tem alguma dica?

    Curtir

    • Olá Jacqueline!
      Na época da faculdade fiz um trabalho sobre a Casa de Vidro e encontrei na biblioteca da minha faculdade (EA-UFMG) um livro sobre a casa e outro sobre os projetos da Lina, onde havia várias informações sobre este projeto.
      No dia da visita você pode adquirir o livro da Lina, vale a pena!
      bjss

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: