BARCELONA: SEGUNDO DIA

No segundo dia em Barcelona andamos muito, afinal é assim que se conhece melhor uma cidade. E esta é também a melhor maneira de chegar destruído no hotel e com queimaduras de sol nos ombros!!

Fomos caminhando até a Plaça d`Espanya que é uma das mais importantes praças da cidade e foi construída no ano de 1929 para a Exposição Internacional de Barcelona. Em frente à praça está o novo centro comercial Arenas de Barcelona inaugurado em 2011.

O prédio que abriga o novo centro comercial foi o local onde funcionou a primeira plaza de toros da cidade e foi construído entre os anos de 1889 e 1900. A última corrida de touros foi em junho de 1977 e desde então o local permaneceu fechado e seu destino era incerto. A única certeza é de que não haveria mais touradas por ali, pois em 2010 foi votada uma lei que proíbe as touradas na região da Cataluña a partir de 2012.

Em 2005 iniciaram as obras do centro comercial Arenas de Barcelona com projeto arquitetônico de autoria dos arquitetos Luiz Alonso e Richard Rogers.

Por um euro é possível subir de elevador panorâmico até a cobertura do edifício e apreciar a bela vista. Lá em cima há vários bares e restaurantes com opções de almoço, jantar e tapas.

A vista lá de cima é linda e é possível ver a cidade de todos os ângulos.

Na foto abaixo as torres venezianas em primeiro plano e ao fundo o Museu Nacional d’Art de Catalunya:

Plaça d`Espanya:

O Parc de Joán Miró:

Dentro do shopping há uma exposição gratuita com toda a explicação do projeto e fotos de todas as fases da obra:

A partir das fotos acima é possível perceber que a fachada do prédio antigo foi mantida exatamente como era. Na verdade foi preservada a “casca” do edifício e o interior foi totalmente reformulado para receber lojas, restaurantes e o cinema. Também foi instalada uma cúpula, já que o edifício original era todo aberto.

Foi necessário tirar bastante terra de todo o terreno para que o edifício ficasse praticamente no mesmo nível da rua:

Na foto abaixo dá para perceber como é robusta a nova estrutura que apóia todo o edifício:

Na parte interna também é possível ver a nova estrutura metálica:

Em frente ao Arenas de Barcelona está o Parc de Joan Miró que na verdade recebeu o nome de Parc de l’Escorxador, pois ali funcionava o matadouro municipal (escorxador em catalão significa matadouro).

De lá seguimos a pé pela avenida Reina Maria Cristina:

Passamos em frente ao Pavilhão Barcelona projetado por Mies Van der Rohe para a Exposição Internacional de Barcelona de 1929. Após o término da feira o pavilhão foi demolido, porém foi reconstruído na década de 80. A famosa cadeira Barcelona também foi projetada por Mies Van der Rohe especialmente para o pavilhão Barcelona.

Na foto abaixo em primeiro plano está a fonte mágica onde acontece um show de luzes à noite em vários horários.

Dá para chegar lá no topo pelas escadarias ou de escada rolante que acaba sendo uma “mão na roda” em dias ensolarados. Lá no alto está o Palau Nacional que abriga o Museu Nacional d’Art de Catalunya:

Não entramos no museu, pois neste dia o horário de funcionamento era até às 14h e chegamos lá por volta das 13:50h.

Paramos para apreciar a bela vista que se tem de toda a cidade a partir da colina de Montjuic: 

A poucos metros do museu está a Torre de Montjuic que é uma torre de telecomunicações projetada pelo arquiteto e engenheiro espanhol Santiago Calatrava. A torre possui 136m de altura e foi construída entre 1989 e 1992 para os Jogos Olímpicos de 1992.

A praça da Europa (plaça d’Europa):

Ao lado está o Estádio Olímpico Lluís Companys que também foi construído para a a Exposição Internacional de Barcelona de 1929 e em 1989 foi reconstruído para os Jogos Olímpicos de 1992.

Saímos do estádio e fomos a pé até a Plaça d`Espanya, onde pegamos o metrô para a Casa Milà que foi a última obra civil do arquiteto Antoni Gaudí, que é um dos meus preferidos.

O edifício foi construído na Avenida Passeig de Grácia entre 1906 e 1912 para o casal Roser Segimon e Pere Milà, sendo que um andar seria destinado ao apartamento do casal e o restante para aluguel. Também é conhecido como La Pedrera pela fachada que parece uma rocha:

Pagamos algo em torno de 16 euros para a visita que não é guiada e vale muito a pena.

A vista do pátio interno:

A pintura do teto dá a impressão de que estamos em uma caverna subterrânea! O portão de ferro parece uma enorme teia de aranha:

A cobertura do edifício é o lugar mais interessante. As enormes esculturas e chaminés possuem formas orgânicas e parecem soldados que protegem o local.

Cacos de azulejo e de garrafas de vidro compõem as esculturas:

O sótão era o local da área de serviço e atualmente abriga uma exposição muito boa onde há uma maquete perfeita do edifício:

Também há exemplares do mobiliário desenvolvido por Gaudí:

Os 270 arcos que compões o espaço:

No quarto andar é possível visitar um apartamento que foi decorado com móveis e objetos que representam exatamente como vivia uma família dos anos de 1930:

Há amostras e explicação de todos os revestimentos utilizados no piso:

Gaudí pensou em cada detalhe utilizado em La Pedrera: desde o guarda corpo das varandas e da escada que são verdadeiras esculturas em ferro até as maçanetas das portas que parecem moldadas em argila e se encaixam perfeitamente na mão:

O mobiliário também foi desenhado por Gaudí e pode ser visto em miniatura ou tamanho real:

Visitar La Pedrera foi uma experiência diferente de qualquer outra, afinal as obras de Gaudí são um verdadeiro convite para extrapolar a imaginação e viajar bastante tentando decifrá-las.

Saímos da lá por volta das 17h e estávamos famintos! Fomos comer na Cervezeria Catalana que estava na minha listinha de lugares que gostaria de visitar e está a poucos metros de La Pedrera. É um lugar que está sempre cheio e apesar do movimento esperamos menos de 20 minutos para conseguir um lugar.

O cardápio é repleto de vários tipos de tapas e adoro esse tipo de comida, pois dá para pedir várias coisas e ficar beliscando. Com uma cerveja bem gelada para acompanhar foi perfeito! Pedi um queijo camembert que vinha empanado com castanha de caju e geléia de frutas vermelhas, simplesmente maravilhoso! Ele é aquecido e no meio fica bem mole, muito bom! As patatas bravas também foram uma excelente opção.

Pegamos um ônibus para o hotel que aliás é uma ótima opção de transporte em Barcelona, pois em cada ponto de ônibus há um mapa com os destinos das linhas e foi muito fácil descobrir qual linha teríamos que pegar para ir para o hotel. E é bom para poder ver mais de perto a cidade.

Jantamos no restaurante do hotel para comemorar o aniversário do Du acompanhado de vinho e mojitos!

Anúncios
1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: